12.7.14

Reflexões

Do espelho, uma menina me observa
Sorriso de estrelas cadentes
E olhos rasos de chuva

Seria este sorriso cor de vício
Ou o grito surdo que rasga o vazio?
Das máscaras amarrotadas a escorrer pelas paredes,
   de tantas cores, formas e nomes,
   qual será o verdadeiro rosto?

O passado enevoado
Descortina um futuro difuso
Fumaça colorida e espelhos, nada mais
De tudo o que me restou,
   os retalhos, os farelos, os escombros,
   onde se esconde a verdade em meio às mentiras?

No espelho, uma menina,
Despida de sua inocência,
Desaparece nos vapores do banho.



(Escrito em 24/09/09)

Nenhum comentário:

Compartilhe!