3.1.12

Expectativa

Anos luz em tão pouco espaço
O que tanto se esperou
Os lábios que se tocam
No afã da intimidade roubada
Ambicionada, estimada
Roupas que se espalham,
Corpos que derretem
Horas que se esvaem.

Estremeço. Estremeces.
E tudo se repete, infindável
Até que Cronos nos separe, enfim.

A espera é longa e querida
Mas finda. Um beijo breve
E outro adeus, indeterminado

E agora, que faço eu
Com tantos minutos a escorrer pelas mãos
À espera da próxima vez?

Nenhum comentário:

Compartilhe!