29.12.10

Plato

Estar só tem suas vantagens. Consigo pensar. Consigo, inclusive, não pensar e não me sentir na obrigação de fazê-lo. Paz. Enfim, paz, depois de tantos dias de correria e da adorável, porém por vezes sufocante, presença constante dos amigos. 

Me deito novamente no chão, um cigarro aceso em um dos cantos da boca e os cabelos soltos esparramados como chamas a lamber o piso azulejado. O chão frio sob minhas costas tem um quê de revigorante. A música alta ecoa pelas paredes nuas. É tudo muito branco, de onde estou deitada. Só comigo mesma, danço com o vazio, na esperança de que isso acalme a criança mimada e teimosa que cresce dentro de meu peito. Danço com minha sombra refletida na parede, e finjo que não preciso de mais ninguém. Estou feliz, estou sinceramente feliz. Mas falta algo.

Falta você.

Um comentário:

Aline disse...

Puta que pariu, muito lindo.

Compartilhe!